1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votes, average: 3.00 out of 5)
Loading...

A Seriedade Como Opção E Como Omissão

Os senhores sérios não apalpam as mulheres, não olham para elas com gula. Ancoram as relações nos mais profundos sentimentos e acham que isso basta. Valorizam o respeito tão acima da luxúria que castram, in utero, os avanços sexuais que lhes ocorrem, até que deixam de ocorrer, até serem só fugazes, meras ideias a que não sucedem gestos. Os senhores sérios não se atrevem para lá da insinuação, do innuendo, da sugestão velada; por vezes, progressivamente raras, alçam-se ao explícito, directo, vernáculo até, mas fazem-o de forma que possa soar sempre a brincadeira, a rapazice. Os senhores sérios têm devidamente apascentado o animal interior, faz parte da sua seriedade. Os senhores sérios precisam de reciprocidade. Precisam que a um olhar responda outro, a um beijo responda um corpo que se entrega. Os senhores sérios não encostam as esposas à parede e não as beijam na boca durante mais de um minuto. Os senhores sérios nem sequer beijam as mulheres com língua todos os dias. Os senhores sérios são educados, gentis e têm maneiras. Diz-se que a educação é um verniz que cobre o nosso interior animal. Os senhores sérios são como quadros flamengos, em que tanto verniz escondeu a cor, tornou escuro e cinzento o que já foi garrido e vivo. Os senhores sérios habituaram-se a ser dóceis, a esconder o instinto caçador com tanta força até que o já não têm. Venderam-lhes que o sexo é fútil e passageiro, que o amor é tolerância e cumplicidade e projectos comuns, e não é mais que isso. Que a paixão é uma tolice de rapazes, de crises de meia-idade, senilidade precoce. Disseram-lhes que há que ver mais longe, procurar um amor que é calmo, um amor que é manso, um amor mais feito de silêncios cúmplices que de gemidos na noite. Os senhores sérios acataram, aprenderam, tornaram-se bons alunos. Alguns escolheram fazer isto; a outros, simplesmente, aconteceu-lhes.

 

One thought on “A Seriedade Como Opção E Como Omissão

  1. Cruamente
    10/12/2017 at 21:23

    Que eu nunca seja uma senhora séria!
    Que no meu coração apascente sonhos e saliva, sempre.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *