1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votes, average: 4.00 out of 5)
Loading...

As Mulheres Que Destroem Homens Sem Querer

Horácio Oliveira é um tonto, um parvo, um romântico, um inadaptado, um preguiçoso, um procrastinador. Um pseudo-intelectual que sabe muito sobre tudo mas não acrescenta nada sobre nada. Oliveira é um conteplativo, cheio de potencial, que nunca vai a lugar nenhum. Oliveira é um daqueles intelectuais sem polegares oponiveis, com extrema dificuldade em manipular o mundo e interagir com ele.

Horácio Oliveira sou eu.

Como é comum nestes intelectuais, Horácio Oliveira não considera isto um problema mas sim um facto. Ele é um pensador, não um fazedor. As coisas são feitas por outros, que escolhem a acção por não terem a capacidade de intelectualizar as coisas. E isto, até um certo dia, está bem.

Não é invulgar estarmos convictos de algo até termos termos de comparação, a igreja da nossa aldeia é sempre a mais alta que vimos até termos visto outra qualquer. E, depois de termos visto, tudo muda. Para Horácio, já se sabe, isso foi a Maga. A Maga não sabe tudo, embora saiba muitas coisas, mas faz coisas, faz acontecer coisas, participa em coisas, fala com pessoas, é o foco de muita gente. A Maga, acima de tudo, acredita de uma forma tão límpida na vida e nas pessoas que isso o desarma. Não é ingénua, embora chegue a parecê-lo. A Maga vê é as coisas a direito, até ao fundo. Para a Maga tudo é transparente, parece transparente, ela sabe o que fazer, e fá-lo. E isso, para Horácio Oliveira, é fascinante.

Horácio nunca recuperará deste encontro, da presença da Maga na sua vida. Apaixona-se de uma forma tão plena e tão intensa que desafia descrição e compreensão. Depois da Maga, nada mais será como antes. E, ao perdê-la, Oliveira perde-se a si mesmo, para nunca mais se reencontrar. Passará a vida a ver a Maga em cada rosto, em cada esquina, até isso se lhe tornar impossível. Depois de se encontrar e se perder o que não se sabia que nos faltava, não é possível voltarmos a sentir-nos completos.

Cortázar escreve a Rayuela *, a história de Horácio em que, afinal, é a Maga a personagem principal, anos antes de termos nascido, tu e eu, e no entanto escreve sobre nós.

A Rayuela é a história de uma vida e é a história de um amor, de como um amor se torna o centro de um homem, se torna a sua própria vida. É, ao mesmo tempo, um ensaio sobre o presente, sobre os diferentes rumos que as vidas tomam, sobre a redundância das coisas, sobre os múltiplos caminhos que os passos tomam se os olhares no presente, no agora, e não como coisas passadas.

Mas, mais que isso, a Rayuela é a história de mulheres como estas, mulheres que destroem ou que salvam, que mudam os homens, que nunca mais são os mesmos depois de as terem. Depois delas, mulher alguma bastará, todas serão, mesmo que ninguém o saiba, tentativas de reencontrar a Maga.

A Rayuela é, mais que um romance, uma obra experimental cujos capítulos, como a a vida, podem ser lidos por uma ordem não estritamente sequencial. Cortázar convida-nos a ler a mesma história de outra forma, por outra ordem, mantendo-lhe o final e o sentido.

Para Cortázar, Rayuela significava a experiência de uma vida e a tentativa de a levar à escrita. Para quem lê, a Rayuela é um aviso sobre os amores que só acontecem uma vez na vida, e só na vida de alguns, sobre os amores mais intensos e perigosos e, ao mesmo tempo, os que mais valem a pena. Rayuela é um convite escrito à tentativa de os viver, pela ordem que quisermos, com o final que conseguirmos.

Porque, no final de contas, cada homem só percebe que é Horácio depois de encontrar a Maga – a sua Maga.

*Rayuela, de Júlio Cortázar, publicado em Espanha em 1963; Em português, O Jogo do Mundo, tradução de Álvaro Simões, ed. 2008, Cavalo de Ferro

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.