1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votes, average: 3.00 out of 5)
Loading...

Faltam Nomes Para As Coisas Tristes

Devia haver um nome para quem nunca teve um orgasmo.

4 thoughts on “Faltam Nomes Para As Coisas Tristes

  1. 09/05/2017 at 08:53

    Porquê? Existe algum rótulo para teve um ou mais orgasmos?

    1. 09/05/2017 at 09:31

      Não há, Isabel, tal como não há palavra para o contrário de virgem; parecemos ter palavras para designar o diferente, como “cego” ou “virgem”, como se assumíssemos, silenciosamente, que é o inverso que é normal. Não temos uma palavra para designar quem não conhece o orgasmo, como não temos um nome para chamar a quem foi operado ao apêndice, e no entanto uma coisa é mais importante que a outra.

      1. 09/05/2017 at 09:54

        Primeiro, peço desculpa pelo lapso, que me faltava ali o “quem”.

        Aquela do “virgem” fez-me sorrir.
        É que há umas décadas, três ou quatro pelo menos, era comum as fichas dos ginecologistas e de exames de papanicolau terem uma zona para assinalar uma das opções face do “posicionamento da mulher face ao ter ou não ter sexo”, começando pelo virgem ou solteira, seguindo-se o casada… Ainda hoje, e até gente bastante nova, quando quer perceber se alguém tem sexo, diz facilmente isto: “há quanto tempo estás solteira (o)?”

        Tenho dúvidas se o ser mais importante ou o ser mais normal dita as regras em todas circunstâncias em que este princípio se aplica.
        Por exemplo: existe o feliz/infeliz.

        E a falta de nome retira a importância?

        1. 09/05/2017 at 10:30

          Acho que não, de todo. Não é por algo ter ou não ter nome que é – para mim – mais ou menos importante. Acho sim que ter ou não ter nome mostra a importância que lhe damos enquanto sociedade, enquanto grupo, porque é enquanto grupo que se criam e se usam ou não as palavras.

          Há mais palavras que nos faltam, ocorre-me de repente a falta de uma palavra de uso geral para o que em inglês se diz “stepbrother” e “stepsister”, ou seja, a/o filha/o da minha madrasta ou padrasto. Não sei quanto mais tempo vamos passar sem ter uma palavra para isto, especialmente sabendo que é algo cada vez mais comum e que embora muita gente passe por cima da distinção e diga simplesmente “o meu irmão”, outros prefeririam ter uma palavra específica, rigorosa e simples para o descrever.

          Quanto ao feliz/infeliz, nunca pensei na coisa em termos quantitativos; não sei se há mais pessoas felizes ou infelizes, ou se ser feliz ou infeliz é um estado marginal e há uma maioria de gente num estado intermédio indefinido e sem nome… :)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *