1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votes, average: 5.00 out of 5)
Loading...

Jabberwocky, ed. 13

cunnilingus cunillingus cunilingus minete pahPois é, caro leitor, cara leitora, imagino que quando aqui vem crie na sua mente a ilusão de que está a vir a um sítio sério. Mas se o faz, olhe que essa idéia é só sua.

O resto da internet, constato, vem aqui essencialmente à procura de minetes. Descubro isto porque reparo, nas estatísticas do blog, que há um desgraçado que procurou na internet por “www.homem a fazer minete.pt”, e o Google – que lhe fez? – trunchas, mandou-o para aqui.

Por um lado, entendo a coisa: numa busca no Google por “minete”, aparece um post meu em quarto lugar, à frente da Wikipedia, por exemplo. Mas por outro lado tinha uma secreta esperança que as pessoas cá viessem parar à procura de textos sobre semiótica, poesia, literatura, o sentido da vida, enfim. Ou sobre amor, vá. Mas não. A coisa é minetes.

Entre os 50 termos mais usados pelas vítimas que o Google para aqui manda, 20 são sobre minetes (os outros são uma amálgama de “putas”, “mamas” e vários tempos verbais do verbo “foder”, com meia dúzia de coisas sérias à mistura). É para mim um mistério alguém achar que isto é um blog sobre putas; de qualquer forma, devem todos ficar algo decepcionados por, vindos à procura de hardcore primeiro escalão, encontrar uma tasca soft-porn, armada em intelectual e às vezes em literária, com um taberneiro que acha que traduz Rilke e Kavafis melhor que os consagrados do panteão livreiro.

E continuam a decepcionar-se os que aqui vêm perguntar “como foder-se com um homem à distância?” (não faço ideia, nunca fodi com um homem à distância), “como fazer o melhor minete do mundo?” (não estarão a confundir com bolo de chocolate?), ou o épico “o que é uma foda e quais as maneiras de foder alguem?” (eu achava que quem cá vinha já tinha estas noções básicas, mas pelos vistos é melhor fazer um post sobre isto um dia destes).

Da mesma forma, tenho pouco a responder a quem se interroga sobre se “os homens que fazem minete sao os que gostam realmente das mulheres”, e não sei bem que diga a quem, pungentemente, se queixa que “meu namorado nunca me fez minete”.

Se calhar, devia abrir uma rubrica de consultório sexual, sentimental, emocional, de relacionamentos, ou algo assim; acho é que já há tantas por aí que dificilmente a minha opinião teria valor acrescentado, entre o coro de peritos que há por essa blogosfera fora. E, na verdade, não sei se é a timidez ou o reconhecimento geral de que a minha opinião, enfim, pff, mas o certo é que não há emails nem mensagens com perguntas – as perguntas que há são estas, todas reais, feitas por trás do anonimato de uma caixa de pesquisa, no motor de busca mais usado da Terra, o único sítio onde, às vezes, se entendem as dúvidas e as ansiedades de toda uma população.

6 thoughts on “Jabberwocky, ed. 13

  1. Espiga
    01/10/2014 at 21:03

    O Menino tem sentido de humor! :-)))

    1. 01/10/2014 at 23:01

      Espiga, com gente desta no Google, não haveria de ter? ;)

  2. 01/10/2014 at 22:41

    Confesso que vim cá parar por recomendação. Diziam que por aqui se escrevia muito bem. E até agora só posso confirmar que é verdade. Ah e claro o soft porn também ajuda :)

    1. 01/10/2014 at 23:00

      imprópria,

      e ainda bem que por cá estás, que gostamos de cá ter pessoas, especialmente das que respondem e conversam e assim.

      Se se escreve bem não sei, nunca somos bons críticos de nós mesmos.

      Quanto ao soft porn, normalmente é só nos bonecos. Quando dá para isso na escrita, é um bocadinho mais primeiro-escalão que outra coisa…

  3. 02/10/2014 at 13:58

    Quero tão só assinalar o triste que é haver mulheres que procurem na net a solução para o facto de os seus respectivos não serem amigos do cunnilingus. E, já agora, vai assim em latim, para que a próxima aprenda mais qualquer coisa.

  4. Filipa
    03/10/2014 at 01:00

    Eh!eh!eh!, realmente…ele é toda uma semiótica, poesia, literatura, sentido da vida e amor e depois vai-se a ver e os Top Posts são aqueles, é coisa para um escritor descoroçoar. Deixe lá Menino, olhe, a mim, por exemplo, quem me tira um bom texto sobre semiótica tira-me tudo ;)

    ( E já viu a quantidade de pessoas que terá saído daqui mais esclarecida depois de ler sobre o que procurava, é serviço público Menino, é serviço público, só tem do que se orgulhar) :)

Leave a Reply to Filipa Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.