1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votes, average: 3.33 out of 5)
Loading...

O Foder E O Foder Sem Ser Foder

sucking voidNão acredites que só as emoções contam: sentir sem fazer é tão vazio como o inverso.

O que importa é a plenitude, é tudo o que faças estando inteiramente ali, estando presente com todos os teus sentidos, ocupando-te, por completo, a atenção. E se isso um dia for dar a mão, ou ler um livro, ou conversar, ou jantar juntos, então é.

E se há quem tenha uma fixação pelo foder como a mais importante coisa que se pode fazer com alguém, que saiba que nem isso é a cem por cento – ou nunca fodeste alguém pensando em outrem, ou no aspecto técnico da coisa, ou na janela que está aberta, ou na roupa de amanhã que ainda está por lavar?

Foder, quando é foder, é se o fizeres por inteiro; senão, é só sexo, é divertido e dá saúde, mas é como ver um filme só por ver. Foder, quando é foder, é bem diferente, e isso não tem nada a ver com orgasmos, como não tem nada a ver com amor nem sentimentos – até com a mesma pessoa nem sempre a plenitude é igual. E, por mais que não o admitas, tu sabes, dentro de ti, quando o foder não foi inteiro, não foi completo, foi só sexo, não foi foder. E, se não sabes a diferença, ou tens muita sorte, ou tens muito azar.

5 thoughts on “O Foder E O Foder Sem Ser Foder

  1. Nuno
    07/12/2015 at 20:35

    Gostei!

  2. Flor
    07/12/2015 at 22:50

    Foder, sexo e amor? Três formas de foder?
    Muito bem!
    Quando não sabem a diferença ou falta a sensibilidade ou é indiferente. :)

    Boa noite Menino

  3. Sereia
    07/12/2015 at 22:51

    Se saber a diferença é sorte, sou uma mulher sortuda.
    Se é azar, porra, apercebo-me largamente da diferença.
    E a verdade é que o “só sexo” é giro mas não me enche por dentro.
    Foder é tocar-te bem lá no fundo, onde nem toda gente fode, na alma.
    Ou me fodem com alma, ou sim é giro, ir ao ginásio tambem é giro e também é exercicio.

    1. 29/12/2015 at 16:27

      Subscrevo, cara Sereia.

  4. 29/12/2015 at 16:26

    Como (quase) sempre, na mouche!
    A idade vai tendo destas coisas, e o que descreves é a evolução que tenho passado.
    A sensação de plenitude que sinto (em primeiro lugar, comigo) com quem decido partilhar o meu tempo é claramente uma mistura heterogénea de actividades, em que o foder é, tão só e apenas, uma delas.
    A cumplicidade numa troca de palavras banal, sem falar num cruzamento de olhares, preenchem a alma e todo um dia, algo que acções isoladas, físicas ou emocionais, por si só, não o fazem.

    Sempre à espera de um novo texto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *