1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (5 votes, average: 4.60 out of 5)
Loading...

Um Post Sobre Mamas (Na Óptica do Utilizador)

Da mesma maneira que alguns gourmets se acham mais habilitados para falar de comida que os cozinheiros, e alguns editores se acham mais preparados para falar de livros que os autores, alguns homens sentem que estão em melhor posição para falar de mamas do que as mulheres.

O argumento é simples – um homem tem, ao longo da sua vida, uma relação mais ou menos íntima com um maior número de mamas do uma mulher, que que se relaciona primordialmente com as suas. *

As mamas, como qualquer bem passível de usufruto, podem ser vistas em duas ópticas, a saber: a óptica do proprietário, que se prende com questões como a manutenção, o estado de conservação e funcionamento, o valor patrimonial, o valor apelativo do bem num mercado liberalizado, e a óptica do utilizador, que se foca principalmente em usufrui-las. E é aqui que os homens se posicionam perante as mamas, como utilizadores privilegiados.

As mamas tem tanto de belo como de místico. Sendo, à partida, uma parte do corpo igual a outra qualquer, é difícil encontrar na mulher um atractor e retentor de atenção tão consensual. Se muitos homens elegem os olhos, outros o rosto, e outros ainda preferem a personalidade, qualquer estatística de beira de estrada mostrará que as mamas continuam a ser o centro dos grandes consensos masculinos. Dificilmente um homem dirá “as mamas? nah, não ligo muito às mamas”, pelo menos não o dirá a outros homens. **

Não vos direi, se bem que literariamente ficasse bonito, que os homens vêem “para além das mamas”. É verdade, mas não enquanto estão a olhar para elas. Mas que vêem os homens nas mamas, para além das propriamente ditas?

Há correntes da psicologia que vos dirão que há nisto um regresso ao seio materno, se bem que não conste que os homens amamentados a biberon gostem menos de mamas que os outros. Há quem diga que a fixação com as mamas representa uma necessidade de amor, de atenção e de carinho, se bem que “amor, atenção e carinho” não pareça cobrir o espectro de coisas que gostamos de fazer com elas.

Mas o que os homens realmente vêem quando olham para umas mamas é prazer. O prazer do toque e do cheiro, o prazer da forma redonda, o prazer de sentir a textura e a consistência e o toque , o prazer de ver como se movem. O prazer de as tocar. O prazer de as encostar ao nosso peito, ao nosso corpo, de encostar o corpo a elas. O prazer de ver os mamilos a entumescer, sentir-lhes a textura na língua.

Acima de tudo, o prazer de ver a mulher ter prazer, o prazer de ver as alterações nela à medida que ela sente prazer. Se as mamas não fosse erógenas para as mulheres, provavelmente não lhes acharíamos metade da piada. Não dá prazer nenhum lamber às pessoas coisas que elas não gostam que se lhes lamba.

Gostamos de mamas. E sendo homens, não nos perguntamos muito porque gostamos de mamas. Pode-nos dar para pensar no assunto, mas não com umas mamas à frente.

Quaisquer mamas? Não. Por muito que as mulheres pensem, e muitas pensam – às segundas quartas e sextas, pensam que somos tão selectivos que nunca vamos gostar delas porque têm as mamas pequenas ou descaídas ou têm celulite – às terças, quintas, sábados e domingos pensam que somos uns mulherengos de primeira que comemos tudo o que nos apareça – por muito que as mulheres pensem que os homens gostam de mamas, quaisquer mamas, todas as mamas, não é verdade.

Não é pelo tamanho.O tamanho conta? Conta. Mas só interessa quando são acima de um certo tamanho – há quem goste de mamas muito grandes, há quem não goste – ou abaixo de um certo tamanho – mais uma vez, há quem goste de mamas pequenas, há quem não goste. Mas a maior parte dos homens tem uma latitude de critério muito abrangente na chamada “mama média”, também conhecida por “boa mama”, e que pode para uns ir de um 36B a um 40C, para outros estar mais acima ou mais abaixo na escala dos tamanhos, mas que é sempre muito mais abrangente do que as mulheres acham.

E não sendo o tamanho, restará a forma, a consistência, a implantação.Que, mais uma vez, têm um interesse relativo. Sim, a mama muito descaída não é tão bonita. É verdade. Mas é preciso estar mesmo muito descaída para deixar de ser bonita, e ainda assim… A mama quer-se firme? Há quem ache que sim, mas sem exageros. A mama deve abanar quando se lhe mexe. E quanto à implantação, é dos temas menos discutidos. Dificilmente um homem deixa de achar piada a umas mamas por elas estarem muito juntas ou muito afastadas, salvo óbvios extremos.

Na verdade, o factor atractivo fundamental de um par de mamas não é nada disto.O factor atractivo fundamental de um par de mamas é a mulher que lhes está agarrada.É a mulher em si que consegue transformar, aos olhos de um homem, um “par de mamas decente” num “excelente par de mamas”, no “melhor par de mamas do mundo”.
E acreditem, o homem que o disser, estará, provavelmente, a dizer aquilo que verdadeiramente acha e verdadeiramente sente. ***

* exceptuamos nesta generalização forçada as lésbicas, que acumulam o conhecimento das suas com a intimidade com outras, e que, elas sim, poderão ser o grupo mais bem preparado para falar do assunto – mas eu não sou lésbica e não consegui arranjar uma à pressa para vir dissertar sobre o tema, pelo que terei de ser eu a fazê-lo.

** confesso que não fui para a beira da estrada fazer sondagens, nem questionei pessoas do sexo feminino sobre este facto, pelo que só posso falar do que ouço. Se alguém entender esclarecer que há muitos homens que lhe disseram “as mamas? nah, não ligo muito às mamas”, enviem uma descrição do sucedido para o email do blog, acompanhada de uma foto das mamas, e vos direi de imediato se há alguma probabilidade de eles estarem a ser sinceros ou se estavam só a ser simpáticos.

*** com as óbvias excepções, é claro. Quando um tipo qualquer te engata num bar e te diz “que excelente par de mamas que tu tens” não é normalmente por se ter apaixonado pela tua personalidade. E até pode achar que só tens um “belo par de mamas”, não um “excelente”, está é a dar-te graxa para te levar para a cama.

**** ah, e na óptica do utilizador, os bebés também percebem alguma coisa de mamas. Mas numa óptica completamente diferente, e que para aqui não interessa nada.

3 thoughts on “Um Post Sobre Mamas (Na Óptica do Utilizador)

  1. Dri
    26/10/2012 at 06:18

    nem sei que diga a isto! lol
    ahhh, já sei…fiquei com saudades das minhas mamas quando eram assim boas boas!

  2. Cat
    27/10/2012 at 00:10

    “O factor atractivo fundamental de um par de mamas é a mulher que lhes está agarrada.”
    Gosto de pensar que sim. Gosto de pensar que, apesar de não corresponder aos padrões que os próprios homens, sempre muito machos, e a sociedade me vendem, no fim das contas o fundamental do meu par de mamas (e do resto do corpo, já agora) é a mulher que o habita.

    Assim como assim, devo dizer que com celulite, rabo redondo, mamas pequenas qb, pancinha, umas cicatrizes aqui e ali, sinais mais que muitos e uma estatura pequena, eu convivo bem com o meu corpo. Não tenho complexos com ele. E não deveria ser isso o mais importante na “mulher que lhes está agarrada”? ;)

    beijo grande

  3. 29/10/2012 at 01:07

    Dri, :)

    Cat, é como diziam no anúncio dos cremes… :)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *